A CANÇÃO E O PROTESTO - Do Cálice à Alegria

Nome: KARINA DOS SANTOS RIBEIRO

Data de publicação: 26/09/2023

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
AISSA AFONSO GUIMARAES Examinador Interno
ALEXANDRE SIQUEIRA DE FREITAS Examinador Interno
GASPAR LEAL PAZ Presidente
NELSON MARTINELLI FILHO Examinador Externo
WILBERTH CLAYTHON FERREIRA SALGUEIRO Examinador Externo

Resumo: Este trabalho analisa o papel das canções como forma de resistência, luta e protesto, durante o período da Ditadura Militar no Brasil. Durante esse período, que durou de 1964 a 1985, a repressão política e a censura cultural foram amplamente utilizadas pelo governo militar como meios de controle e supressão das liberdades individuais e coletivas. As canções, nesse contexto, emergiram como uma forma poderosa de expressão e resistência, permitindo que artistas e compositores transmitissem mensagens críticas e contestatórias à ditadura. Essas canções funcionaram como uma ferramenta de conscientização e mobilização popular, ajudando a manter viva a chama da resistência, a luta pelos direitos civis e pela democracia. Ao longo da dissertação, foram selecionadas e analisadas algumas canções representativas desse período. “Cálice” de Chico Buarque de Hollanda e Gilberto Gil, “Pra não dizer que não falei das flores” de Geraldo Vandré, “Apesar de você” de Chico Buarque e “Alegria, Alegria” de Caetano Veloso, denunciaram as violações dos direitos humanos cometidas pelo regime militar. A dissertação explora o contexto textual, histórico, social e político em que as canções foram criadas, examina como as restrições impostas pela ditadura moldaram a produção musical e como os artistas encontraram maneiras de contornar a censura para transmitir suas mensagens. Nesse sentido, destaca-se a importância das canções como veículo de resistência e como forma de preservar a memória coletiva de um período sombrio da história, como observa-se, por exemplo, no corpus teórico de Caetano Veloso (2020), Wilberth Salgueiro (2015), Marcos Napolitano (2002) e Marilena Chauí (2017). Os resultados da pesquisa revelam a relevância e o impacto duradouro das canções contra a ditadura militar, e como influenciaram a cultura e a arte em geral, ajudando a moldar o cenário cultural que dura até os dias de hoje. Essas músicas desempenharam um papel fundamental na formação da consciência política da época, e ainda contribuem para a mobilização popular, para a conquista diuturna da democracia. Além disso, elas continuam sendo importantes testemunhos artísticos e históricos, transmitindo as experiências e as emoções daqueles que lutaram contra a opressão. Elas oferecem uma base histórica e inspiradora para a resistência contemporânea, lembrando-nos de que a coragem e a determinação dos que se opuseram às ditaduras no passado podem ser uma fonte de força para desafiar as injustiças atuais.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910