Corpo, caminhos e lugares: sincronismos e anacronismos nos modos de figurar o corpo na contemporaneidade.

Resumo: A partir dos modos de figurar o corpo, procuro discutir a noção de presença na experiência artística como algo indissociável da ideação da obra. Com a proposição de uma discussão ampliada, busco certa aproximação do pensamento fenomenológico com os comentários de Didi-Huberman sobre o característico anacronismo no pensamento de Aby Warburg. Para esquivar-me da concentração nas especificidades de certas propostas contemporâneas, submeto a inclinação do corpo em figurar-se a um olhar histórico mais amplo, desde a figuração clássica à apreensão da presença do espectador como corpo figurado em obra.
Vem de longa data o esforço da historiografia da arte para encontrar seu perfil científico próprio, com a busca de modelos formais de questionamento e de análise da produção do saber sobre a arte. Mais que conselho, tomo como recomendação a sentença de Georges Didi-Huberman de que “não há história da arte sem uma filosofia da arte e sem uma escolha de modelos estéticos” . É por isso que procuro pontuar alguns modelos estéticos patentes nos discursos sobre a arte contemporânea, e aproveito a ocasião para esboçar uma hipótese sobre um modelo estético que suponho permear o pensamento sobre a arte em geral.
A princípio proponho uma concisa discussão sobre o conceito de representação para pesquisar os sinuosos caminhos que a arte contemporânea percorre para imitar, iludir ou repetir alguma realidade ou verdade. Com isso, pretendo trazer à tona a influência daquilo que chamo de modelo antropomórfico de pensamento na criação da obra, em sua fruição, assim como no discurso sobre a arte, sobretudo para definir os modos de figurar o corpo como o modelo paradigmático que a arte ocidental encontrou para dar conta de representar as relações do homem com o mundo. De modo resumido, a hipótese que delineio tem por intuito mostrar a história da arte como: a história dos modos de figurar o corpo segundo o modelo antropomórfico de pensamento ocidental.

Data de início: 2017-05-13
Prazo (meses): 48

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Cesar Augusto Giraldo Bareño
Aluno Mestrado Manuel Benvindo Soluelo
Coordenador Alexandre Emerick Neves
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910